MEU LIVRO - EDITORA CORPOS - PORTUGAL

sábado, 19 de julho de 2014

Aprendendo a ser Mãe




Não existe nenhuma cartilha ensinando como ser “Mãe”, porque nem todas as mães são iguais, por mais que se pareçam. Este é um aprendizado longo e eterno e você vai ter que aprender sozinha, como eu aprendi. Não é fácil, mas também não é difícil. Só tens que pensar agora neste ser indefeso que carregas no teu ventre. Ele é fruto de um momento de amor e como os momentos seguintes, deve ser o motivo maior das tuas preocupações, porque você agora recebeu o presente mais precioso que Deus poderia dar a uma mulher: o dom de ser Mãe. Não são todas as mulheres que recebem esta dádiva. Muitas fazem o impossível para se tornarem mães e não conseguem. Portanto, minha filha, pense sempre em primeiro lugar nesse bebezinho lindo que agora já podes chamar de filho. Pense nele em todos os momentos, porque ele é parte de você e é o maior tesouro que poderias receber. Um filho é para sempre e é a certeza de que você viveu a plenitude do amor em todo o seu significado. Eu vou ser avó. É a primeira vez que escrevo essa palavra. Preciso me acostumar com ela. Só desejo que a tua gestação seja plena de saúde e alegria e saibas desde já, que esse bebê vai ser iluminado e dar muita alegria a todos nós.





Débora Benvenuti

quarta-feira, 18 de junho de 2014

O Vento e a Flor





O vento sopra devagar
e faz a flor suavemente balançar.
Suas pétalas perfumadas espalham um aroma sedutor,
que até o vento se impregna desse aroma que exala da flor.
E percorrendo os campos floridos,
por vales, montanhas e mares,
o vento carrega consigo,
mensagens de amor a um coração solitário,
que vive sonhando com a flor.
O vento sopra de mansinho,
falando com carinho,
de sentimentos serenos,
sensações tão amenas,
que fazem o coração se sentir tão pequeno.
Uma lágrima escorre e um sentimento verdadeiro,
transforma aquele sentimento num doce devaneio,
um amor derradeiro,
um sonho inteiro dedicado à flor.




Débora Benvenuti

terça-feira, 20 de maio de 2014

O Júri




Os Sentimentos decidiram escolher um representante

que pudesse estar presente em todos os momentos

e fosse ao mesmo tempo,

portador dos mais belos acontecimentos.

Escolheram primeiro quem faria parte do júri

e chegaram a um consenso,

que a Razão, a Verdade e a

honestidade eram portadores de tais qualidades.

Quem primeiro desfilou foi a Vaidade,

com tanta sensualidade,

que deixou a todos ofuscados.

Seguiu-se o Exagero,

trazendo consigo coisas fúteis,

sem nenhuma utilidade.

Quando a Tristeza se apresentou,

todo o mundo se calou,

tão pesado o ambiente ficou.

Então chegou a vez do Desânimo

dizer alguma coisa,

mas estava tão calado

que não falou quase nada.

Seguiu-se a Preguiça,

que estava tão cansada que ficou enroscada

no cordão da calçada.

A última candidata

foi a Esperança,

que deixou a todos fascinados,

com o poder que dela emanava,

cada vez que se aproximava

dos outros candidatos

que a observavam admirados.

E a Verdade então falou

com toda a Razão,

que a Honestidade

não poderia perder

a oportunidade

de eleger essa candidata

como a mais perfeita,

porque não possuía nenhum defeito

e a todos deixava uma mensagem

de Esperança, mesmo para aqueles

que já não acreditavam em nada

e a vida nada mais lhes interessava.

Fez-se então, a Esperança,

a mais bela representante,

de todas as mensagens,

que foram entregues

a partir daquele momento

de sublime encantamento.



Débora Benvenuti

sábado, 17 de maio de 2014

As Chaves




A Imaginação havia saído,
caminhando sem destino,
e andava tão distraída,
passeando por um campo florido,
quando deixou cair,
sem ter percebido,
as chaves do seu coração.
Por entre flores muito belas,
ela se encantou com o colorido
das rosas e margaridas,
e das libélulas que
pousavam em cada flor
que desabrochava,
tornando ainda mais belo
aquele cenário encantador.
Foi por entre flores e cores
que a Imaginação percebeu
a presença do Amor,
que por ali passava
aspirando o perfume
de cada flor.
A Imaginação se encantou
com toda a delicadeza do Amor,
então procurou as chaves
que abriam as portas
do seu coração,
como não encontrou,
perguntou ao Amor
se não teria uma cópia
que pudesse usá-la,
para abrir o seu coração.
O Amor se aproximou
da Imaginação e
experimentou com as suas chaves
para ver se encaixava
naquele coração distraído
e percebeu comovido
que as chaves que ele
carregava consigo,
abriam qualquer coração.
A Imaginação ficou tão agradecida
que convidou o Amor
a se hospedar em seu coração,
desde que não se importasse
de jogar fora as chaves,
para que alguém que as achasse,
fizesse o mesmo
quando encontrasse um
coração distraído...

Débora Benvenuti


quarta-feira, 30 de abril de 2014

A Imaginação e o Pacote



terça-feira, 1 de abril de 2014

A Esperança, o Coração e o Tempo




A Esperança estava de partida. Habitara durante muito tempo um Coração e por mais que insistisse, a cada dia percebia que o Coração não mais a ouvia. Não gostava de despedidas, por isso deixou o Coração ao amanhecer, enquanto ele ainda dormia. Sabia que estava ido ao encontro do desconhecido, pois estava tão cansada, que qualquer lugar seria melhor de morar, do que aquele velho Coração, que nem sequer mais batia direito e esse descompasso fazia a Esperança ficar desorientada. Às vezes ele batia tão rápido, que a Esperança pensava que ele havia encontrado o que buscara durante toda a vida. Depois, nada mais acontecia, e o Coração então adormecia profundamente, num sono cheio de pesadelos.
A Esperança caminhou durante muito tempo, carregando consigo todas as lembranças dos bons momentos em que habitara o Coração. Cansada demais com o fardo dessas lembranças, encontrou pelo caminho o Tempo, que estava sentado à beira de um lago, de águas muito límpidas e tranqüilas. Percebendo a Esperança se aproximar, notou o pesado fardo que ela carregava. Convidou-a descansar por alguns momentos e ela assim o fez.
O Tempo, conhecedor de todos os males e Senhor de toda a sabedoria, quis conhecer o que continha o fardo que a Esperança carregava. Ela então contou o quanto estava decepcionada com o Coração em que habitava. Contou-lhe os sonhos e os pesadelos que habitavam aquele coração e disse ao Tempo que desistira de fazê-lo acreditar em alguma coisa. O Tempo ouviu com toda a paciência que só ele possuía, os relatos da Esperança e quando ela terminou de falar, disse à ela que voltasse a morar no velho coração, porque era nesse exato momento de sua vida, que o Coração mais precisava de toda a esperança para continuar a viver.


Débora Benvenuti

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A Imaginação e o Eco






A Imaginação andava apreensiva.
Há muito tempo não conseguia imaginar.
Já se sentira assim um dia
e quando isso acontecia,
de nada adiantava chorar.
Seus pensamentos se confundiam
e ela não conseguia mais pensar.
Então saía a caminhar...
Seus passos a conduziam,
sempre ao mesmo lugar:
- O alto de um penhasco
onde podia a tudo observar,
até que pudesse se acalmar.
Parou um instante,
ouviu o Silêncio,
falou ao Vento,
sentou no rochedo
e começou a soluçar.
Pensou que nunca mais voltaria
a se lançar no espaço.
Suas asas estavam gastas
e a impediam de voar.
Então gritou bem alto:
- Eu quero voar...
Eu quero voar...
E o som retumbava,
trazido pelo Eco,
e ela ouvia o que ele dizia
e mal conseguia acreditar:
- Eu quero voar soava tão nítido,
que algo dentro dela
começou a despertar.
Essa voz que ela ouvia
a incentivava a voar.
Então se lançou no espaço,
abriu as suas asas
e percebeu que ainda sabia voar...


Débora Benvenuti

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

O Afeto, a Ternura e o Amor






  1.  Nascidos de um mesmo coração,
     o Afeto, a Ternura e o Amor
     foram crescendo e cada qual
     foi tendo os seus próprios ideais.
     Como eram trigêmeos,
     tinham todos algo parecido,
     muito difícil de separar
     e muito menos identificar.
     O Afeto era muito sensível
     e por qualquer coisa ficava sentido.
     Enquanto a Ternura era só coração.
     Ficava com pena do Afeto
     e sentia que devia
     fazer muito mais pelo irmão.
     Falava suave aos seus ouvidos
     palavras ternas com tanto carinho,
     que o Afeto se sentia ainda mais aflito,
     com tanta demonstração de carinho.
     Então o Afeto ficou muito preocupado,
     por que sentiu que não podia
     sentir Amor pela Ternura,
     já que ambos eram irmãos.
     Mas cresceram tão entrosados
     que ficava difícil
     abandonar o coração,
     onde os três haviam sido gerados.
     Aí então ficou feita a confusão.
     O Afeto estava apaixonado pela Ternura
     e pelo que se sabe até então,
     os três jamais abandonaram o coração,
     onde eles haviam sido criados
     pelo Autor da Criação,
     esse mesmo que criou
     esse sentimento chamado...AMOR!!!


    Débora Benvenuti

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Coração Egípcio



Coração Egípcio



Um Coração adormeceu
e quando acordou percebeu,
estava num lugar estranho,
que não era o seu.
Atravessara o oceano
e todo o Mar Egeu.
Se encontrava agora,
nas areias escaldantes,
de uma terra distante,
cheia de mistérios,
onde o que havia,
era a magia,
que o envolvia.
Que lugar estranho,
observou o coração,
no momento em que acordou.
Estava num museu,
ou era tudo um sonho seu?
Ao seu lado percebeu,
que havia um sarcófago
e pulsando dentro dele,
um coração que lhe falava
palavras de amor,
o que muito o surpreendeu.
Parecia que o conhecia
e ele mesmo sentiu,
uma forte emoção,
o que fez bater mais forte
o seu coração.
Aquela voz
vinha de muito longe
e o coração reconheceu,
como sendo de um Amor
que o tempo não esqueceu.
Sentiu uma grande euforia
que o envolvia
e o fazia transportar
para um mundo que ele conhecia,
pois quem lhe falava de Amor,
era Tutankamon.
Então o Coração entendeu,
que o seu coração era de Nefertite,
e ele então se aquietou
e se deixou conduzir
por aqueles corredores
que tantas vezes percorrera
e nos braços do seu Amor
novamente adormeceu.
Viveu novamente as emoções
que já vivera tantas vezes,
ao lado desse Amor,
que novamente era Seu.

Débora Benvenuti